Ao lembramos de Frida Kahlo, a imagem que vem à cabeça é a de uma mulher de personalidade forte. As cores alegres e florais de suas roupas contrastavam com o semblante sério e com seu corpo marcado por doenças e tragédias. A união entre a fragilidade e a vontade de viver de Frida, aliada ao fato de ela ter se casado com o pintor Diego Rivera, fizeram com que ela desabrochasse como artista.

Vinte de suas obras estão expostas neste mês de setembro em São Paulo, no Instituto Tomie Ohtake. Considerando que Frida Kahlo pintou apenas 143 telas, a exposição é uma oportunidade incrível para conhecer um pouco mais da vida e da obra da artista.

 

Frida Kahlo (Nikolas Muray_Frida Kahlo en vestido azul_1939_Carbro print, Ed. 2de30_Courtesy the Gelman)

Também fazem parte da exposição obras de 16 artistas nascidas ou radicadas no México, como Maria Izquierdo, Remedios Varo e Leonora Carrington. Ao lado de Frida, elas são autoras de potentes produções. "São imagens pungentes e inesquecíveis por suas cores e traços impositivos, pelos elementos da cultura nativa mexicana, pelos gestos confrontadores e pelo desprezo por qualquer convenção do que seja o bom gosto burguês tradicional", afirma Paulo Miyada, curador do Instituto Tomie Ohtake. O ingresso para conferir a exposição custa até R$ 10. Às terças, a entrada é gratuita. A mostra vai até 10 de janeiro de 2016.

 

 

Nickolas Muray_Frida Kahlo en una banca #5_Carbro print_45.5X36cm_Courtesy the Gelman Collection, © Nickolas Muray Photo Archives

Exemplo de superação

Frida nasceu em 1907, nos arredores da Cidade do México. Ao longo da vida, foi vítima de uma série de desgraças. Teve poliomielite aos seis anos de idade, o que a deixou com uma lesão no pé direito. Aos 18 anos, sofreu um acidente gravíssimo, de bonde, que comprometeu muito de seu organismo, afetando a coluna vertebral, a clavícula, as costelas, a pélvis e o útero. Ela sofreu onze fraturas na perna direita e teve o pé esmagado. Foram muitos meses no hospital. Nesse período, Frida começou a pintar deitada na cama e chegou a retratar os coletes ortopédicos que precisava usar durante a longa recuperação. Os desenhos surrealistas eram um reflexo dos sentimentos mais íntimos da artista.

 

 

 

Apesar de todas essas tragédias, a sede de Frida pela vida está estampada nas próprias roupas que usou. Os longos vestidos coloridos com a temática Tehuana escondiam as marcas no corpo. Os coletes ortopédicos se pareciam com corpetes. Quando teve a perna amputada, em 1953, em decorrência da poliomielite, adotou uma prótese especial que contava com uma bota vermelha adornada por temas chineses. Frida era uma mulher tão corajosa que seguia em frente. E assim ela se transformou em ícone.

 

Imagens de Frida Kahlo

As cores de Frida

Muito presentes no trabalho da artista, as cores sempre tinham um significado para a artista. Em seu diário, ela descreve cada uma: o verde evidenciava boa luz; o amarelo transitava entre medo, loucura, doença, sol e alegria; o azul cobalto remetia à eletricidade, à pureza e ao amor. O diário foi publicado no Brasil em 2012, pela editora José Olympio sob o título "O Diário de Frida Kahlo, um Auto-retrato Íntimo". Também traz aquarelas, poesias e desenhos íntimos.

 

 

Os tons adorados pela artista são uma fonte de inspiração para a moda e a maquiagem. Foque nas cores vibrantes, como as do batom líquido de Faces, que traz tons de cereja e pink. As sombras mono de Aquarela garantem cor intensa às pálpebras. Escolha o azul turquesa, o azul royal, o laranja e o roxo. Finalize com a máscara para cílios alongadora de Aquarela e o blush trio multiefeito de Faces. Eis uma bela homenagem à Frida e à primavera.

 

Fotos: (conforme a ordem do texto)

Nikolas Muray_Frida Kahlo en vestido azul_1939_Carbro print, Ed. 2de30_Courtesy the Gelman

Nickolas Muray_Frida Kahlo en una banca #5_Carbro print_45.5X36cm_Courtesy the Gelman Collection, © Nickolas Muray Photo Archives

Frida Kahlo_autorretrato con monos_1943_óleo sobre tela_Courtesy the Guelman Collection_©2015 Banco de México Diego Rivera & Frida Kahlo Museums Trust

Lucienne Bloch_Frida Kahlo en el hotel Barbizon Plaza_1931_Gelatin Silver Print_29.2X19cm-Courtesy the Gelman Collection.